Clínica de Fisioterapia RPG Souchard - Fisioterapeuta Joyce - Florianópolis Campeche

Fatores de Risco Posturais no Trabalho

Um fator de risco pode ser definido operacionalmente como um termo genérico para os fatores de trabalho que possuem associação com a ocorrência das Lesões por Esforços Repetitivos ou Doenças Relacionadas ao trabalho (LER/DORT). Segundo Hagberg et all (2001), eles podem influenciar direta ou indiretamente o surgimento e/ou desenvolvimento das LER/DORT. Sendo assim, se estão diretamente relacionados aos processos fisiopatológicos, podem disparar este processo ou criar condições apropriadas para o surgimento destes distúrbios.

São divididos em três categorias:

Com relação à postura, no seu sentido mais restrito pode ser entendida como a atitude ereta e bem balanceada do indivíduo em posição natural. A postura para o contexto da biomecânica está mais relacionada a posição do corpo ou de um determinado seguimento seja este realizando alguma atividade (ação da musculatura dinâmica e em menor proporção a estática) ou não (ação maior da musculatura estática). Moffat e Vickery (2002); (KONZ, 1999). Esta última, encontra-se intimamente ligada às queixas dolorosas do sistema músculo-esquelético.

Grandjean (2005) correlacionou em suas pesquisas, o trabalho estático em diferentes posturas com as queixas corporais dos trabalhadores, descritas na tabela abaixo:

Postura no trabalhoQueixas e consequências possíveis
De pé no lugarPés e pernas, varizes
Postura sentada, sem apoio nas costasMúsculos extensores das costas
Assento demasiadamente altoJoelhos, pernas e pés
Assento demasiadamente baixoOmbros e nuca
Postura tronco inclinado, sentado ou em péRegião lombar, degeneração discos intervertebrais
Braços estendidos para frente, para os lados e para cima.Ombros e braço, eventualmente artrose dos ombros
Cabeça curvada demasiadamente para frente ou para trásColuna cervical e degeneração discal e intervertebrais
Postura da mão forçada em comando ou ferramentasAntebraço, eventualmente inflamações das bainhas dos tendões

Conforme descrito na literatura, numa postura sentada as recomendações posturais são: que os dois pés fiquem apoiados no chão ou plataforma, tronco reto, a cabeça erguida olhando para frente e as costas apoiadas no espaldar da cadeira. A cadeira deve permitir que o peso do corpo incida mais sobre a tuberosidade isquiática (saliência óssea posterior entre a coxa e as nádegas; proeminência óssea posterior da bacia; local de origem dos músculos posteriores da coxa); sem grande sobrecarga da parte posterior da coxa; permitir o retorno sanguíneo das pernas; não empurrar o sacro e cóccix (extremidade inferior da coluna, na bacia) para frente; não propulsionar o indivíduo para frente nem para trás; deve permitir o apoio adequado do dorso; juntamente com os braços da cadeira, permitir movimentos laterais; os cotovelos devem estar na altura da bancada; a cadeira em conjunto com a bancada não deve limitar movimentos dos membros superiores.

Grande parte das dores referidas, na coluna cervical e costas, estão relacionadas frequentemente à altura das mesas, que se encontram mais altas, principalmente em trabalhos de digitação. Essas mesas altas, elevam os braços e ombros, sobrecarregando os músculos da coluna cervical, levando ao surgimento de estados doloroso da região.

Para a execução das atividades laborais, sentada ou em pé, Etienne Grandjean (2005), orienta que as superfícies superiores das mesas de trabalho, estejam 5 à 10 cm abaixo do cotovelo.

Nesta postura, haverá menor carga da musculatura estática das cadeias musculares inspiratórias e de ombro minimizando as compensações e consequentemente os riscos de lesões osteomusculares. De forma contrária, uma mesa alta gera atividade muscular compensatória dos músculos elevadores e abdutores (músculos que afastam os cotovelos lateralmente da linha média do tronco) da cintura escapular (complexo músculo esquelético da articulação dos ombros e coluna cervical), levando ao surgimento de dores e disfunções músculo-esqueléticas.

Outra medida a ser considerada é a distância entre o assento e a mesa. Uma inclinação anterior do tronco, com cotovelos e ombros em desajuste ergonômico, acarretará sobrecarga das estruturas citados anteriormente acrescidos de uma hiperatividade dos músculos extensores da coluna, principalmente a lombar baixa, gerando desconforto e risco de lesões nessa região. “Para possibilitar uma posição confortável com menor carga estática, a distância entre o assento e a mesa deve estar entre 27 à 30 cm, conforme as características antropométricas individuais. A posição relaxada do tronco é prioridade.” Grandjean (2005).Do ponto de vista biomecânico e fisiológico, é altamente recomendável um local de trabalho que alterne a postura sentada e em pé. A postura sentada, por tempo prolongado minimiza a carga da musculatura estática do corpo, porém proporciona maior carga mecânica nos discos intervertebrais da coluna. De outro modo, a postura estática em pé, por tempo prolongado, gera comprometimento com disfunção do sistema vascular e muscular de pernas e pés, sendo aliviado quando alternado com a postura sentada. Por esses motivos, as alternâncias de postura sentada e em pé, são recomendadas para proteção do sistema músculo- esquelético e vascular proporcionando menores incidências dos fatores de riscos à LER/DORT.

Portanto, para a configuração dos locais de trabalho, a escolha correta da altura e tipo do mobiliário é de suma importância. Todavia, não se pode analisar esse dado isoladamente. Pois o conjunto cadeira, mesa e plataforma, devem ser harmoniosamente planejados com vistas às tarefas executadas e as características antropométricas dos usuários, proporcionando uma postura com a menor fadiga muscular possível.

Agendar Consulta

Direitos Autorais Fisioterapeuta

Dra. Joyce Lino Alvares

(48) 98406-0496

Referência Bibliografia

ABERGO. Associação Brasileira de Ergonomia. Classificação do entendimento em Ergonomia. Disponível em: www.abergo.org.br. Acesso em 03 ago. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Protocolo de investigação, diagnóstico, tratamento e prevenção de Lesão por Esforço Repetitivo/ Distúrbio Osteomusculares Relacionados ao Trabalho. Brasília, DF, 2000.

BRASIL. MINISTÉRIO DO TRABALHO. (2007a, 26 de junho). Anexo 1 da NR 17. Portaria SIT n.º 13, de 21 de junho de 2007. Brasília, DF: Diário Oficial da União. Acessado em 14 de abril de 2017, de http://trabalho.gov.br/images/ Documentos/SST/NR/NR17-ANEXO1.pdf

COUTO, H. A. Ergonomia aplicada ao trabalho: manual técnico da máquina humana. Belo Horizonte: ERGO Editora, 1995.

COUTO, H. A. Ergonomia aplicada ao trabalho. Belo Horizonte: Ergo, 1995. 383p.

DUL, J, WEERDMEESTER, B. Ergonomia prática. Tradutor Itiro, Iida. São Paulo: Edgard Blücher, 1995

ELLIS,D.S.: Speed of manipulative performance as a function of worsurface heigt. Jornal of Applied Psychology, 35. 289-296 (1951).

FELISBERTO, L. C.; PASCHOARELLI, L. C. Dimensionamento preliminar de postos de trabalho e produtos – modelos antropométricos em escala. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Anais... VII International Conference on Industrial Engineering e Operations Management, 2001, Salvador. Proceedings, 2001. 1 CD ROM.

GONÇALVES, S.;XAVIER, A. ;REZENDE,L.;A ergonomia e a gestão da segurança do trabalho. XII SIMPEP – Bauru, SP, Brasil, 2005

GRANDJEAN E, KROEMER KHE. Manual de ergonomia: Adaptando o trabalho ao homem. 5ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas; 2005.      

GUIMARÃES, L. B. de M.; BIASOLLI, P. Levantamento antropométrico: o Brasil ainda precisa ter o seu? In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE ERGONOMIA E USABILIDADE DE INTERFACES HUMANO-TECNOLOGIA. 2., 2002. Anais... II Congresso Internacional de Ergonomia e Usabilidade de Interfaces Humano-Tecnologia: Produtos, Programas, Informação, Ambiente Construído Ergodesign, 2002, Rio de Janeiro. II Ergodesign. Rio de Janeiro: Departamento de Artes e Design PUC-Rio, 2002. 1CD ROM.

HAGBERG, M. PUNNETT, L.; BERGQVIST,U.; BURDORF,A.; HARENSTAN,A.; KRISTENSEN, T.S. et al. Broadening exposure asessment the view of Scand J Work environ health, 2001

IIDA, I. Ergonomia: Projeto e Produção. São Paulo: Edgard Blücher, 4ª ed., 1997

IIDA, Í. Ergonomia projeto e produção. São Paulo: Edgar Blucher, 2005. 614p.

ISO 9241.5 (1998), REVISADO EM 2008 : https://www.iso.org/obp/ui/es/#iso:std:iso:9241:-5:ed-1:v1: ACESSADO EM 02 DE SETEMBRO DE 2017

KONZ S. Biomechanics in Ergonomics. Philadelphia: Taylor & Francis, 1999.

MALCHAIRE J. Stratégie générale de prevention dês risques prefessionnels. Cahiers de Médecine Du travail.. 1997.

MARTÍNEZ-CARRIÓN, J. M.; PUCHE-GIL, J. La estatura de los españoles en el espejo francés: una historia antropométrica comparada. Asociación Española de Historia Económica, p.1-40, 2009.

McGINNIS, M. Biomecânica do esporte e exercício. Porto alegre: Editora Artmed, 2002.

MINETTE, L.J. Análise de fatores operacionais e ergonômicos na operação de corte florestal com motosserra. Viçosa: Tese (Doutorado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa 1996.

MINETTI, L. J.; SOUZA, A. P.; ALVES, J. U.; FIEDLER, N. C. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 6, n. 1, p. 166-170, 2002.

MOFFAT, M.; VICKERY, S. Manual de manutenção e reeducação postural. Porto Alegre: Artmed, 2002.

NEMECEK, H et GRANDJEAN, E.: Estude Ergonomique d’um travail pénible dans I1industrie textile. Le Travail Human 38, 167-174 (1975).

NORDIN, M.; FRANKEL, V.H.; Basic biomechanics of the musculoskeletal system, 2 ed. Lea e Febiger,1980. OLIVEIRA

PEREIRA, É. F.; TEIXEIRA, C. S. Proposta de valores normativos para avaliação da aptidão física em militares da Aeronáutica. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 20, p. 249-256, 2006.

VAN WELLY, P.: Desing and disease. Applied Ergonomics 1,262-269 (1970).

ABNT ( Associação Brasileira de Normas Técnicas ) NBR 13962 -Móveis para escritório - Cadeiras -Classificação e características físicas e dimensionais. Set.1997.